ASFAC "preocupada" com impostos sobre crédito ao consumo

Publicado 22 Janeiro 2016

O Governo pretende avançar com impostos sobre o crédito ao consumo. Uma medida que suscita preocupação junto do sector.

No comunicado divulgado, quinta-feira, no fim do Conselho de Ministros, o Governo refere que no Orçamento do Estado para 2016 serão tomadas medidas "de âmbito fiscal dirigidas à contenção das importações de produtos petrolíferos e do crédito ao consumo". Uma intenção que preocupa a associação do sector.

"Ficamos preocupados com o anúncio de medidas conducentes à restrição do consumo, uma vez que nos foram dadas expectativas através do programa do PS, mas também pelo programa do Governo, de que para 2016 o aumento da procura interna e do consumo seriam factores importante para o crescimento do PIB", explicou António Menezes Rodrigues.

Para o presidente da Associação de Instituições de Crédito Especializado (ASFAC), é "preocupante a tomada de decisões erráticas por parte do Governo em matérias tão determinantes para o País quanto são as de política económica". "A confiança é um valor decisivo para o sucesso das políticas. Neste sentido, esperemos que este Governo interiorize o valor da confiança que deve transmitir aos agentes económicos", conclui o responsável.

O crédito ao consumo tem vindo a aumentar. De acordo com os últimos dados do Banco de Portugal, divulgados na semana passada, foram emprestados 4.558 milhões de euros, entre Janeiro e Novembro de 2015, o que representa um aumento de 22% face ao mesmo período do ano anterior. O valor em 11 meses supera até o total concedido no total do ano 2014: 4.128 milhões.

Ver Notícia Original:  Jornal de Negócios