Recurso ao Crédito

Os 5 Mandamentos do Recurso ao Crédito

O QUE TER EM CONTA ANTES DE PEDIR UM CRÉDITO

Analise ou faça o seu plano de gastos mensal e depois de ver quanto sobra depois de pagar todas as suas contas veja quanto tem disponível para a prestação de um empréstimo. Pode calcular aqui a sua taxa de esforço (que lhe diz qual é o valor máximo que pode despender em prestações de empréstimos por mês com nbase no seu rendimento disponível.

Depois, investigue qual o tipo de financiamento mais adequado. A internet pode ser um ótimo aliado na pesquisa do mercado, sendo aconselhado pedir três propostas a instituições diferentes. Para uma correta comparação das propostas, analise as Fichas de Informação Normalizada (FIN) dos produtos. Tenha em consideração a TAEG – Taxa Anual Efetiva Global - que lhe indica o custo total do crédito e lhe permite comparar melhor cada uma das propostas.

Depois de escolher a melhor proposta, o consumidor deve, antes de assinar qualquer documento, esclarecer todas as perguntas e dúvidas que lhe surjam com a leitura do contrato.

 

5 Mandamentos do Recurso ao Crédito
1. Investigue e compare diferentes propostas;
2. Faça perguntas sobre as condições do crédito;
3. Leia todo o contrato - SEMPRE;
4. Não assine nada que não entende totalmente;
5. Peça sempre uma cópia do contrato de crédito.




SEGUROS DE PROTEÇÃO AO CRÉDITO
O que são, como funcionam e o que cobrem 

Os seguros de proteção do risco de crédito são uma garantia tanto para instituições financeiras como para consumidores, motivo pelo qual são frequentemente aconselhados e, em alguns casos solicitados, aquando da contratação de um empréstimo. Os cartões de crédito, porque são um instrumento de financiamento, também permitem a contratação deste tipo de proteção.

Habitualmente subscritos na altura em que se faz o contrato de crédito, estes seguros garantem o pagamento do capital em dívida, em caso de morte ou invalidez absoluta e definitiva, e o pagamento da prestação mensal, em caso de incapacidade temporária absoluta para o trabalho por doença ou acidente e desemprego/hospitalização. No caso dos cartões de crédito, existem ainda as coberturas de utilização fraudulenta e de proteção às compras, em que há a garantia de reposição do valor no prazo de x dias após a compra, caso se verifique algum problema com o bem.


RENEGOCIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO
Como renegociar um contrato e consolidar todos os financiamentos numa única entidade.

É possível alterar as condições inicialmente acordadas entre o consumidor e a entidade financeira que concedeu o crédito, basta haver acordo entre as partes.

A renegociação acontece, sobretudo, quando o consumidor sente algumas dificuldades em cumprir com as obrigações financeiras, regra geral, devido à diminuição de rendimentos. Nessas situações o consumidor deve apresentar a sua situação à instituição financeira e solicitar a renegociação do contrato. Mas também há casos em que o consumidor pretende liquidar o montante em dívida antes do final do prazo do contrato. Também aqui deve apresentar a sua situação e analisar as vantagens e as desvantagens junto da entidade financeira, de modo a tomar a melhor decisão.

Mas existe outra forma de diminuir os encargos mensais. Chama-se crédito consolidado e é uma modalidade que agrega num único empréstimo todos os contratos anteriormente realizados. Só se aplica quando o consumidor tem vários contratos de crédito. Contudo, a consolidação exige um bem para constituir uma garantia, ou seja, há um bem que fica hipotecado. Esta é, a par do alargamento do prazo de pagamento, a razão pela qual a prestação baixa consideravelmente.

Em qualquer uma das opções, a prestação dos créditos reduz de forma substancial. No entanto, há que avaliar bem qual é a melhor solução para cada caso.