Crédito especializado ao consumo sobe 29% em 2016

Publicado 20 Fevereiro 2017

As instituições que fazem parte da Associação de Instituições de Crédito Especializado (ASFAC) concederam 8.083 milhões de euros em 2016. 

As instituições de crédito especializado ao consumo concederam 8.083 milhões de euros em 2016, mais 29,3% que no ano anterior, sendo que o financiamento aos comerciantes se mantém “muito ativo”, indicou hoje a Associação de Instituições de Crédito Especializado (ASFAC). Em 2016, dos montantes financiados pelas associadas da ASFAC, 49,2% foi para fornecedores, com um crescimento de 33,9% face a 2015, refere em comunicado. Quanto ao crédito ao consumo, que representa 49% do total financiado, registou um crescimento 25,1% no ano passado, em relação a 2015. 

No último trimestre de 2016, o total de crédito concedido subiu 24,8%, tendo o crédito clássico aumentado 30,5%, o crédito ‘stock’ aumentado 27% e o ‘revolving’ crescido 12,7%. A maioria do crédito clássico concedido em 2016 (71,3%) destinou-se, como é habitual, à compra de meios de transporte, tendo esta rubrica apresentado um crescimento de 33% face a 2015. O financiamento de viaturas de passageiros ligeiras usadas, que representa 64,1% do financiamento de meios de transporte, apresentou uma subida de 30,6%. Já o crédito às viaturas ligeiras de passageiros novas, que corresponde 29,4% dos financiamentos a meios de transporte, aumentou 37,1% cento em 2016, em relação a 2015. Ainda ao nível do crédito clássico, é de destacar o facto de o crédito pessoal, que representa 20,1% deste tipo de crédito, ter subido 34,3% em 2016, face ao mesmo período de 2015. No caso do crédito pata o lar (6,4% do total de crédito clássico) este registou um crescimento 12,7%. Em 2016, foram celebrados com as associadas da ASFAC 371.179 contratos de crédito clássico, 97,5% com particulares, o que significa um aumento de 12,7% face ao ano de 2015. Apesar de serem em número mais reduzido, apenas 9.415, o número de contratos de crédito clássico celebrados com empresas aumentou 21,2%. Segundo a ASFAC, o valor médio dos contratos de crédito clássico foi de 6.400 euros, um montante 14,4% mais elevado que em 2015. 

 Ver Notícia Original: "Dinheiro Vivo"